BANDA PELO MENOS

segunda-feira, 11 de junho de 2012

DECÊNCIA

DECÊNCIA





Decência

Tudo bem enquanto eu possa me limpar!

Uma janela meio aberta
Uma cortina despencando
Uma parede com manchas de pés de criança
Uma cama com dois colchões
Um sofá cama
Um terço no lado esquerdo da cabeceira da cama
Um chapéu meio de banda em cima de um abajur
Na televisão canal Brasil
Quatro homens deitado ao chão batido, 
surrado pelo tempo,
esperando o amanhecer do dia
Livros empilhados, DVD mal arrumado.
A cama virada da ultima morte
A bandeira do Brasil tremulando 
e já são 10h00min;
A existência e resistência
Um pássaro cantando
Uma parede a rebocar
O Espírito Santo
O enigma de uma figura geométrica 
em forma de decoração
O choro do urso de pelúcia
O acalento do melhor amigo
O quinto mistério
A tecnologia que nos deixa vivo, 
até a falta de energia.
O tempo passa e com ele a idade 
avança e enquanto eu possa me limpar
 ao ponto de não depender dos outos para tal.
Tá tudo bem enquanto eu possa me limpar.

 Escrito em 19 de janeiro de 2012, por Orlando Oliveira.



Comentários

09/02/2012 15:37 -
já ti falei...rapaz que tu estas no futuro.... como vai ser o carna-ju. gostei até breve.

25/01/2012 06:58 - Juli Lima
Bom dia! Transparência. Bj poesia

bela poesia, envolvente desenrolar, parabéns, poeta. até mais..

Nenhum comentário:

Postar um comentário